terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Zarattini quer apoio para bilhete único no transporte metropolitano

Zarattini quer apoio para bilhete único no transporte metropolitano
Em visita a Santos, o deputado federal Carlos Zarattini (PT), busca apoio para aprovação do projeto de lei que institui o Bilhete Único Metropolitano visando à integração do transporte intermunicipal, e para o sistema de partilha dos royalties do petróleo que garanta repasse para o setor de defesa do país.

Recebido pelo vereador Adilson Júnior (PT), vice-presidente da Câmara de Santos, Zarattini, acompanhado do pai, o ex-deputado federal, Ricardo Zarattini Filho, passou boa parte da quarta-feira (20), na cidade onde defendeu a implantação do Bilhete Único na Região Metropolitana da Baixada Santista. Responsável pela implantação do sistema, na gestão de Marta Suplicy, na prefeitura de São Paulo (2001-2004), quando era secretário dos Transportes, Zarattini é autor do projeto de lei que propõe o sistema nas 29 regiões metropolitanas do país.

“A implantação do bilhete único promove a integração do transporte intermunicipal, beneficiando a todos. O projeto em tramitação no Senado propiciará a desoneração do transporte, barateando seu custo para todos. As concessionárias terão redução de impostos sobre os principais itens de sua formação para o atendimento ao público, de óleo diesel a pneus e com isso, obrigatoriamente, haverá o barateamento da tarifa”, explica o deputado.

Para a região da Baixada Santista, a proposta é que haja integração entre as linhas municipais e intermunicipais com envolvimento, no futuro, do VLT - Veículo Leve sobre Trilho, (há anos sendo discutido pelo Estado e Municípios da região, sem sair do papel). O sistema é simples: o usuário adquiri um bilhete (único) e utiliza por determinado tempo (pré-estabelecido) em diferentes linhas.
Em Santos, o vereador Adilson Júnior, autor do Projeto de Lei 163/2009 que institui bilhete único no transporte coletivo de Santos, em tramitação na casa dês outubro de 2009, acredita na facilidade da implantação do sistema, pois a empresa que explora o transporte municipal é a mesma que detém a concessão intermunicipal.

Royalties e defesa nacional - Líder da Frente Parlamentar de Defesa Nacional, o deputado Zarattini busca, também, apoio para a votação da lei sobre a partilha dos royalties do petróleo. O deputado luta pela manutenção do repasse por parte do governo federal para o setor de defesa do país. Mas a partilha dos royalties do pré-sal está gerando muita discussão, pois todos os estados querem um quinhão desse provento.
A divisão atual privilegia os estados e municípios produtores (de cujo território acontece a extração do petróleo), mas como a Constituição especifica que o mar é de responsabilidade da União, alguns entendem que a distribuição não pode privilegiar esse ou aquele território.
Atualmente a divisão está assim estabelecida: 40% para a União, 22,5% para os estados produtores; 30% para os municípios produtores e 7,5% para os demais municípios e estados.  O ex-presidente Lula vetou o projeto que previa a partilha dos royalties entre os estados e municípios e no próximo mês (agosto) a discussão deve voltar acirrada em Brasília, pois o prazo para votação do veto expira em 31 de dezembro deste ano.
Zarattini entende que há necessidade de retirar investimentos do setor de defesa, do contingenciamento do orçamento para a criação e manutenção de empresa específica como a Empresa Estratégica de Defesa para atuar na defesa do país que hoje vive uma nova realidade diante de suas riquezas naturais, especialmente com o pré-sal.
“Precisamos criar mecanismos de defesa que até então não pensávamos. Hoje somos vitrine diante de nossas riquezas, especialmente o petróleo. Apresentamos grande potencial energético e outros e, não apenas pré-sal. Por isso precisamos ter o domínio de nosso território, condições de defesa e assim, precisamos de tecnologia, equipamentos e de profissionais preparados. Essa é a razão da nossa preocupação com relação aos repasses do governo para as Forças Armadas. É a questão da segurança com a qual, agora, precisamos nos preocupar muito mais. Não podemos depender mais de outros países, precisamos criar nossa estrutura e é isso que já está acontecendo com a transferência e desenvolvimento de tecnologia e de conhecimento.
Por isso a Frente Parlamentar de Defesa Nacional busca apoio para aprovação de orçamento específico para a defesa nacional e aprovação de projetos como Prósub que visa a construção de submarinos, o Sisfron que prevê a aquisição de equipamentos para o monitoramento de nossas fronteiras e a criação da Empresa Estratégica de Defesa, necessária para concentrar os trabalhos voltados para essa nova realidade em termos de segurança”.
(Nas fotos de Helena Silva, o deputado Zarattini e o vereador Adilson Júnior)


Jornal Espaço Aberto Centro Histórico - Rua João Pessoa, 60 - 6º andar - conj. 62
CEP: 11013-000 - Santos/SP
Atendimento Tel/fax: (13) 3219.1296
E-mail: jornal@jornalespacoaberto.com
E-mail: espacoaberto@litoral.com.br 

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

O que é o BILHETE ÚNICO?


O Bilhete Único da cidade de São Paulo foi uma solução implantada pela SPTrans (São Paulo Transporte S/A), empresa responsavel pelo transporte de ônibus, ligada ao governo municipal. O projeto de Lei que criou o Bilhete Único é de autoria do então Vereador CARLOS ZARATTINI em 1995. O projeto foi aprovado pela Câmara  com votos contrários apenas do PFL (atual DEM) e PSDB e depois foi vetado pelo prefeito à época. 
Implantado finalmente em 18 de maio de 2004, na gestão da ex-prefeita MARTA, o Bilhete Único permite que o passageiro faça várias integrações de ônibus pagando uma única passagem dentro de um certo período de tempo. Permite ainda fazer integrações com outros meios de transporte — Metrô e Trem — pagando um preço aproximadamente 50% menor do que o da tarifa completa.
Com seus mais de 8,5 milhões de cartões expedidos ate 2006, e frota de 15.000 ônibus e 7,3 milhões de viagens, esta é provavelmente a 2ª maior solução em bilhetagem eletrônica no mundo, logo após o cartão Octopus de Hong Kong.
Os cartões usam tecnologia sem-contato Philips Mifare.
Todos os cartões são pré-pagos, e São Paulo conta com mais de 3.000 pontos de recarga, inclusive lotéricas
A recarga tambem pode ser feita através da internet na loja virtual da SPTrans.